Publicada 18/11/2019 às 09h | atualizada 18/11/2019 às 09h

Após tour de despedida em 2020, Skank paralisará atividades

Após quase três décadas se destacando no mercado de pop rock nacional, a banda mineira Skank anunciou que paralisará as atividades em 2020, por tempo indeterminado. Desta forma, Samuel Rosa, Léo Zaneti, Haroldo Ferretti e Henrique Portugal programam uma extensa tour ao longo do próximo ano, que deve percorrer todos os estados brasileiros.

Os músicos fazem questão de esclarecer que a decisão foi tomada em conjunto, após sugestão do vocalista Samuel Rosa, que alegou estar precisando “sair da zona de conforto”, buscar novos desafios, novas parcerias, arriscar em carreira solo. “Não teve briga, nem desentendimento, somente um desejo por experimentação, por correr riscos e buscar outras formas de realização sem ser como Skank”, explicam os rapazes. “Não precisa nem da decadência, nem da guerra para terminar alguma coisa”, diz Samuel. “É um grande desafio pessoal para cada um. Pode ser extremamente saudável nos reinventarmos, tentarmos coisas diferentes, ter esse espaço para liberdade criativa”, completa o tecladista Henrique Portugal.

No último ano, apenas em São Paulo, os rapazes lotaram quatro das maiores casas de shows da cidade com a turnê “Os Três Primeiros”. Aconteceu o mesmo no Rio, Curitiba, Salvador, Belo Horizonte. E a história certamente se repetirá em 2020, quando, em comemoração às três décadas de banda, eles farão a turnê “30 Anos”, embalada por coletânea de 30 hits da carreira e uma canção inédita. As datas da aguardada turnê serão anunciadas em janeiro.

Ao longo da carreira, o quarteto chegou a ficar alguns períodos sem fazer shows, mas nunca sem se reunir – até porque, nessas paradas de estrada, os músicos aproveitavam para gravar novos projetos. “Quando parávamos, era por seis meses. E ficávamos esses meses em estúdio. Quando falei para pessoas próximas a decisão de dar um tempo, a reação foi: ‘Até que enfim você vai descansar’. E quem disse que eu quero descansar?” (risos), afirma o baterista Haroldo Ferretti. “Mas o bom é inimigo do ótimo. Então vamos parar enquanto estamos bem, em alta”, conclui.

Prova disso é que uma das músicas mais tocadas é o single recente “Algo Parecido”, que soma mais de 31 milhões de plays no Spotify e 13 milhões de views no YouTube. Ao longo de quase três décadas, o Skank emplacou mais de 40 hits, lotou espaços de shows por onde passou e recebeu dezenas de prêmios – o principal deles, o GRAMMY Latin, em 2004 (com o álbum “Cosmotron”).

VOLTAR