Publicada 10/08/2020 às 07h | atualizada 10/08/2020 às 07h

Single de Ludmilla soma 4mi de views em 72 horas

Lançado na última sexta-feira, 3, “Cobra Venenosa”, nova música de trabalho de Ludmilla, vem registrando ótima execução em emissoras de rádio e no ambiente online — só no YouTube, são quatro milhões de visualizações.  “A música é para exaltar as mulheres que estão conosco e como nos ajudamos, nos fortalecemos”, explica Ludmilla, que compôs “Cobra…” há três anos. “Se conversarmos, podemos agregar até aquela pessoa da qual discordamos ou com a qual temos alguma questão. Mas é preciso criar um espaço em que seja possível o debate saudável entre mulheres, para que a gente evolua juntas”, completa.

O clipe se passa em um lugar inóspito, num futuro pós-apocalíptico, destruído pelo racismo, pelo machismo, pela homofobia, e “os venenos que a gente encontra no nosso dia a dia”, segundo a artista. E para quem acha que o sentido da letra já está evidente, com versos como “eu vim pra causar, e não para passar pano / se fosse pra ser pacífica, eu ficava no oceano / cobra invejosa, não sai do lugar / fica me difamando pra poder me atrapalhar”, é melhor pensar duas vezes.

O vídeo é outro ponto importante a ser destacado nesta nova faixa de Ludmilla. “O que mais me chama a atenção no roteiro desse clipe é que, a princípio, é uma letra que pode parecer simples e falar de uma coisa muito específica, como inveja ou rivalidade. Mas é interessante perceber como isso pode representar uma série de coisas que acontecem na sociedade, de julgamentos de pessoas que não aceitam as outras, de intolerância. É um filme que, de forma mais lúdica, aborda isso e traz um final de esperança, ao mostrar a união entre as mulheres”, pontua o diretor João Monteiro.


VOLTAR