SMS orienta a escolha e uso adequado dos repelentes contra mosquito da dengue

03 de Abril 2024 - 10h43

Com o aumento de números de casos de arboviroses no município, cuidados contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor de doenças como dengue, chikungunya e zika, são intensificados em Natal. Um produto com alta na procura, como parte dos cuidados contra o inseto pela população, é o repelente. Pensando nisso, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) Natal, por meio do Núcleo de Controle de Medicamentos, pertencente à Vigilância Sanitária de Natal (VISA Natal), informa sobre a forma correta de escolha dos produtos e uso adequado dos repelentes contra mosquitos.

Na hora da escolha do repelente de uso tópico (aqueles que podem ser aplicados na pele), deve-se ficar atento ao rótulo e verificar se o produto está registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). “Nas farmácias e supermercados existem várias marcas e tipos diferentes de repelentes, portanto, é importante escolher os repelentes aprovados pela ANVISA, e que possuem a presença dos princípios ativos como DEET, Icaridina e o IR 3535”, explica Ivone Nunes, chefe do Núcleo de Controle de Medicamentos.

O DEET, Icaridina e o IR 3535 são substâncias que, quando presentes nos repelentes, são eficazes no combate ao Aedes aegypti. Os repelentes que possuem estes princípios ativos são seguros para uso durante a gravidez (conforme as instruções do fabricante), e repelentes para crianças frequentemente possuem concentrações menores desses ingredientes ativos, portanto, é importante verificar o rótulo e aplicar o produto em crianças menores de 2 anos apenas sob orientação médica.

Aplicação

O repelente deve ser aplicado antes de atividades ao ar livre, especialmente ao amanhecer ou entardecer; deve ser aplicado em áreas expostas do corpo, com exceção dos casos em que o rótulo traga instruções para o uso diretamente na roupa; em caso de contato com os olhos, lavar imediatamente a área com água corrente. A reaplicação do produto é aconselhada em situações de exposição prolongada ou transpiração excessiva.

“O tempo de proteção dos produtos pode variar entre os tipos de repelentes, proporcionando proteção entre quatro a oito horas em média, dependendo do princípio ativo (ver rótulo). Importante destacar também que, além dos repelentes, outras alternativas de prevenção contra os mosquitos também incluem vestimentas de manga longa, telas em janelas e mosquiteiros”, reforça a chefe do Núcleo de Controle de Medicamentos.

Ivone explica ainda que os repelentes podem causar alergias, e a recomendação é realizar um teste prévio em uma pequena área da pele antes da aplicação mais extensa.

Proteção contra os mosquitos

Outra opção bastante utilizada são os Repelentes Ambientais, produtos encontrados na forma de espirais, líquidos e pastilhas de aparelhos elétricos que também podem ser adotados no combate aos mosquitos. O consumidor deve ficar atento se os produtos possuem registro na ANVISA, além de obedecer aos cuidados e precauções descritas nos rótulos.

Ivone salienta que, de acordo com a ANVISA, não há comprovação de eficácia para produtos de princípio ativo natural, como, por exemplo, citronela, andiroba e cravo da índia, e produtos como velas, odorizantes de ambientes e incensos não estão aprovados pela ANVISA e não possuem eficácia comprovada. Como também não existem produtos de uso oral, como comprimidos e vitaminas, com indicação comprovada para repelir o mosquito.

Arboviroses

Em Natal, até o dia 23 de março, foram registrados 2.845 casos notificados para arboviroses, destes 2.250 foram casos prováveis para dengue, sendo 951 confirmados. No município, cerca de 70% dos focos são encontrados nos imóveis residenciais, destes, 65% são depósitos que poderiam ser evitados, como garrafas e recipientes plásticos reutilizáveis.

A dengue é uma doença séria que pode evoluir para casos mais graves e levar a óbito, então, além das ações desenvolvidas pelo município, os moradores devem reforçar as medidas de eliminação dos criadouros de mosquitos em suas residências, e ficar atento a locais que possam acumular água, como vasos de plantas, a parte traseira do freezer da geladeira, verificar quintais e caixas d'água, entre outros cuidados.

 

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado